29/07/2012

Equilibristas


Algumas vezes estar no lugar que se sonhou não significa estar vivendo o que se sonhou. Abandonar a situação é o primeiro pensamento, mas talvez seja muito radical para alguns. Os mais resistentes vão até onde conseguem negociar o seu tempo, sua disposição, seus prazeres. E ainda há os que resistem num ambiente infeliz até perderem o seu último princípio, os últimos valores vão embora com a fraqueza que chega com o tempo.

Isso acontece o tempo todo, com todo tipo de gente, em todo tipo de lugar. Isso acontece todos os dias nas Universidades. A cada semestre uma nova remessa de jovens, cheios de sonhos, planos e boas intenções, chega aos edifícios de Ensino Superior. Depois de quase duas décadas se preparando, eles entram no que dizem ser a etapa mais importante de suas vidas.
Parece o fim e o começo de tudo. A rotina acadêmica diz que é o fim da diversão, mas a vida universitária oferece um mar de possibilidades para esses estudantes. Todas parecem ótimas à primeira vista; é novo e é bonito; tudo pode ser muito legal dependendo de quem convida. Vivem como equilibristas, segurando tudo que podem (diversão, trabalho, estudo, vida sentimental, família etc) num prato só: ser universitário.

Esse estilo de vida equilibrista tem sido cada vez mais impregnado de características que se opõem aos valores e princípios de Deus. E essa tem sido a imagem do universitário; pois os “hedonismos”, os “relativismos” e “ceticismos” são comuns. Fumar uma erva, ficar “alto” toda sexta, é rotina. E pra quê a fé no sobrenatural se afinal temos todas nossas filosofias e o ser humano tem um grande potencial e uma mente ilimitada? “Esse papo de Deus não é pra gente; a gente quer viver, queremos liberdade.”

Será possível mudar essa imagem? Será possível dar habilidade e equilíbrio para a vida destes jovens habitantes deste admirável novo mundo universitário? A resposta pode ser sim, caso você acredite em mudanças. Nós acreditamos e temos orado por isso. Desejamos não somente orar, mas sermos inspirados a pintar novamente essa realidade, com os valores que vivemos, os valores de Deus. A vida não foi feita para se apoiar sobre uma corda bamba. Existe um Chão firme para todo equilibrista. Só precisamos compartilhar dessa realidade.


• ORE pela realidade dos universitários, para que cada um consiga lidar com suas responsabilidades, sentimentos, limites e necessidades. Que o conhecimento verdadeiro da pessoa de Cristo possa ser transformador na vida das pessoas, alterando seus padrões e dando a elas uma mente renovada.

• ORE para que cristãos nas Universidades interajam com estudantes não cristãos e possam influenciá-los com seu estilo de vida, levando-os ao conhecimento d’Aquele que proporciona equilíbrio real para o corpo, a mente e o espírito.

• ORE para que estudantes compreendam que o real alívio para os problemas que enfrentam não está nos vícios, nos valores invertidos ou em suas ideologias.

#DiadoEstudante

22/07/2012

Um deus na Universidade


Quantas vezes sentimentos ruins são disfarçados com boas intenções? Ciúme chamado de zelo, julgamento chamado de crítica construtiva, orgulho chamado de opinião... Muitas motivações ruins recebem nomes bons, tomando lugar no coração do ser humano e o levando a agir de modo egoísta.
O dinheiro, o gosto pelo acúmulo de riquezas é uma das mais disfarçadas motivações em nossos tempos. Aloja-se no coração das pessoas com nomes como: sonho, ambição, perspectiva de vida, e as faz entender que todo sacrifício é válido para se chegar aonde quer. Gasta-se todo empenho em busca de uma segurança ideal de vida, e isso se torna suficiente para mantê-las com satisfação pessoal. Olham para seus relacionamentos como nada além do que “contatos”, através dos quais o futuro se garante. Isso quando o clima de competição não estraga qualquer possibilidade de comunhão num mesmo ambiente profissional.

Jesus chegou a dar um caráter pessoal ao dinheiro, chamando-o de Mamom, uma entidade, um deus. As universidades têm se tornado um templo de adoração a esse deus. Por amor ao dinheiro, muitos estudantes se perdem em suas vocações: vivem anos e anos frustrados com a carreira escolhida, porém orgulhosos de não receberem ao final do mês apenas o necessário.  Talentos são abafados pela pressão da competição, o tempo é esmagado para comportar tudo que se tem que fazer para ganhar mais e mais, pessoas vivem isoladas por investirem mais em sua conta bancária do que em relacionamentos.

Richard Foster disse que o ”Dinheiro não deve nem ser adorado nem desprezado. Dinheiro é um poder, traz consigo luz e sombra.” O poder do dinheiro não será suficiente para escurecer a visão dos estudantes sobre seu futuro se estudantes cristocêntricos estiverem dispostos a anunciar e mostrar com suas próprias vidas como é viver em função de um único Deus. Como é deixar que somente esse Deus dirija seus interesses e paixões em direção à verdadeira vida abundante.

• ORE para que as motivações dos estudantes ao escolherem suas profissões seja por vocação, e não por dinheiro, para que haja menos profissionais frustrados no mercado de trabalho.

• ORE para que o seu tempo (sugestão) seja administrado por Deus e não pela ganância, ou ansiedade quanto à sobrevivência.

#DiadoEstudante

19/07/2012

Justiça para todos



Talvez você já tenha se perguntado: por que o dia 11 de agosto é o dia do Estudante? Em 1827, nesta mesma data, D. Pedro I criou o curso de Direito no Brasil, tendo suas primeiras turmas em São Paulo e em Olinda. Em 1927, cem anos depois, foi proposto que essa data fosse escolhida para homenagear todos os estudantes.
Esta história soa interessante quando pensamos na temática de nossa campanha, pois, tudo se iniciou com a introdução do curso de Direito no país. E, inevitavelmente, quando se fala em Direito, pensa-se logo em JUSTIÇA. E justiça é o que todos querem, é por ela que todos lutam. Estampada na TV ou aos gritos nas redes virtuais, a justiça ainda é a grande esperada por muitos. E, quando feita, ainda não é o bastante.

Parece não ser fácil para humanidade alcançar um patamar de igualdade para todos os cidadãos. Seria possível uma justiça que nos satisfizesse por completo, sem a sensação de perdas ou traumas remanescentes? Sem a sensação de que o que nos ocorreu ontem pode acontecer logo mais amanhã quando menos se esperar? Que dê igual julgamento a pessoas que cometeram os mesmos atos, independentemente de suas posições sociais? Que não lese alguém por conferir benefícios a outrem?  Por meios meramente humanos, isto se torna um tanto improvável... Nossas leis estão aí para nos provar isto; elas não são o suficiente.

No entanto, cremos que uma sociedade pode ser transformada por meio de indivíduos transformados. Não há forma melhor de isto ocorrer senão quando se é inspirado por alguém que é expert em determinado assunto. Nós, quanto cristãos, reconhecemos que Deus, além de ser completamente bondoso, é um ser perfeitamente justo e íntegro. Quando O conhecemos, entendemos que a Sua justiça é plena. Ele sempre faz o que é correto. Toda forma de erro ou de injustiça é contraria à Sua natureza, e, mesmo que Ele seja infinitamente bom, Ele não concorda com nenhuma forma de injustiça. É algo que Ele não tolera.
Nosso intuito nesta jornada é unir pessoas em oração, fazendo com que os cristãos se mobilizem em um ato de rebeldia à realidade decadente que contemplam na sociedade, em particular, no meio universitário. Neste sentido, ao vermos as injustiças ao redor, nossos corações tornam-se inconformados, e oramos para que essa situação mude e Deus nos leve a dar passos práticos, atos de justiça, que se opõem a qualquer forma de iniquidade, da mais minúscula a mais berrante. Entendemos que quanto cristãos não podemos nos conformar com esta situação, pois, se Deus é justo, nosso coração deve irar-se ao ver tais descasos e impunidades.

ORE para que pessoas conheçam a Deus e assim sejam inspiradas a fazerem justiça de acordo com o caráter e os valores dEle, e não com suas próprias leis ou suas próprias mãos. ORE para que pessoas protestem não pela justiça do homem, mas sim pela justiça de Deus na sociedade, reconhecendo tal justiça como plenamente justa, boa e comum a todos.

ORE pela justiça nas Universidades, por parte tanto das autoridades como dos professores, estudantes e funcionários. Que, além disto, haja retidão, sem ruptura de valores. ORE por justiça no que diz respeito à situação dos professores e dos estudantes nesta greve das Universidades públicas.

Nosso desejo e nossa oração é ver a sociedade conhecendo pessoas que verdadeiramente conheçam a Cristo, pessoas inspiradas pela justiça e pela integridade de Deus, e que assim, a sociedade compreenda como o mundo pode ser verdadeiramente melhor. Que o Reino comece aqui.

#DiadoEstudante

16/07/2012

Mudanças: um sonho?



Todo ser humano tem um sonho. Individuais ou coletivos, os sonhos aguardam um futuro de paz para sua realização. Para ter um deles concretizado, somos capazes de muitas coisas. Noites sem dormir, economia financeira por longos períodos de tempo, sacrifícios de diversos tipos são feitos por quem acredita que eles podem acontecer.

Ao estudarmos História no ensino médio, vemos que o século passado é marcado por diferentes gerações de jovens que sonharam com uma política transparente e justa, uma sociedade igualitária. Eles são lembrados até os dias de hoje pela coragem de expor nas ruas seus sentimentos de inconformismo e indignação, as opiniões eram estampadas nos rostos e faixas. Não foram atendidos em todas as suas reivindicações, porém não foram esquecidos.

Hoje, provavelmente, os sonhos não tenham mudado. Continuamos querendo justiça e igualdade, educação e comida. As necessidades permaneceram. Porém, entre os sacrifícios que podemos fazer, qual deles nos trará a justiça tão desejada na política? Entre os manifestos que podemos fazer, qual deles será ouvido por alguém suficientemente poderoso para restaurar a precaridade na educação? De onde pode vir a ajuda que nos trará o tão sonhado futuro de paz? O que aconteceria se a voz dos sonhadores chegasse aos ouvidos de quem realmente pode transformar toda e qualquer situação?

Maior do que todas as tentativas humanas, a oração é a primeira atitude dos que querem ver a mudança acontecer. “Orar é falar com Deus”. Entregar nas mãos do Criador o vazio dos resultados de nossas próprias mãos. Para iniciar a conversa, por que não falar sobre o lugar onde são formadas as opiniões, ideias e profissionais que influenciarão a nação? A universidade é o tema do nosso clamor. Ore você também e faça parte da geração que será lembrada pela união de mãos, joelhos e vozes.

#DiadoEstudante


11/07/2012

Dia do Estudante: Por que Orar?


Olá!

Bem-vindos ao começo de uma incrível jornada.
Convidamos você a se juntar a nós nesta campanha em prol do estabelecimento dos princípios e valores do Reino em nossa sociedade. Sabemos que é uma tarefa grande e difícil na qual nossos esforços e propósitos devem convergir ao que Deus está fazendo e deseja realizar.

No entanto, podemos começar de uma forma simples, fazendo isto onde nós já estamos: na universidade. A universidade é um ambiente de transformação. É de onde surgem pessoas influentes e profissionais que atuação na transformação da sociedade. Uma real e positiva transformação só pode ocorrer se existirem pessoas que ajam segundo o caráter de Cristo nas diversas esferas da sociedade.

E é neste contexto então que desempenhamos o nosso papel. Temos em nossas mãos a oportunidade gerar transformação de vidas em nosso meio, como um verdadeiro movimento espiritual!

E como seria uma universidade se realmente fosse impactada por um movimento espiritual?
E como seria a nossa NAÇÃO ao ser IMPACTADA por uma geração transformada pelos valores e pelos princípios do Reino?

Porém, acreditamos que antes de toda e qualquer ação deve existir algo fundamental: a ORAÇÃO. A oração deve preceder todas as decisões e atitudes importantes, e isto foi o que o próprio Jesus fez. Em resposta a situação ao nosso redor, devemos nos engajar em uma luta a nível espiritual através da oração. Devemos orar a fim de que Deus nos use para mudar o status-quo da realidade em que vivemos. ORAMOS por que não aceitamos a situação injusta e decadente ante nossos olhos. Ao orar nos rebelamos contra o que vemos e nos recusamos a aceitá-lo como normal quando na verdade é totalmente contrário ao que originalmente fora estabelecido por Deus. ORAMOS porque cremos que isto fará toda diferença, e nos levará a atitudes em direção à conciliação do mundo a nossa volta com os propósitos de Cristo.
Quando não oramos, estamos agindo passivamente de uma forma secularizada, como se o nosso meio estivesse de acordo com o caráter de Deus – o que não é real.

Queremos levar você à seguinte reflexão: O que aconteceria se todo um movimento espiritual orasse pelos estudantes universitários durante um mês?

Fique ligado nas futuras postagens. Estaremos sempre publicando algum texto ou material que inspire e direcione cada um à oração em prol desta causa. Compartilhe esta idéia com as pessoas que você conhece e assim juntos estaremos fazendo parte de uma grande rede de intercessão. E você, estudante universitário, mobilize seus amigos cristãos a orarem e se questionarem de que forma podem ser relevantes na realidade espiritual de sua universidade. Lembre-se sempre: mudanças são possíveis, e por isso oramos com fé.

#DiadoEstudante